1237 views
# Coronavírus: Dentre Muitos, Um > O que o Governo Federal dos EUA e seus estados devem fazer para combater o Coronavírus [color=#907bf7] Esta é uma tradução do terceiro artigo de Tomas Pueyo a respeito do COVID-19. Os originais podem ser acessados nos links abaixo: [Coronavirus: Why You Must Act Now (Porque Você Deve Agir Agora)](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-act-today-or-people-will-die-f4d3d9cd99ca "Why You Must Act Now") [Coronavirus: The Hammer and the Dance (O Martelo e a Dança)](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56 "The Hammer and the Dance") [Coronavirus: Out of Many, One (De Muitos, Um)](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-out-of-many-one-36b886af37e9 "Out of Many, One") ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_19f41d912d54a6da7b1fc104d47a19b7.png) *Meus dois artigos anteriores, [Coronavirus: Why You Must Act Now](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-act-today-or-people-will-die-f4d3d9cd99ca "Why You Must Act Now") e [The Hammer and the Dance](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56 "The Hammer and the Dance"), reuniram mais de 50 milhões de visualizações e foram traduzidos para mais de 30 idiomas cada um. Este artigo tem enfoque na situação nos EUA a partir de 31 de março de 2020.* **Resumo: Faz sentido, político e econômico, que os EUA suprimam o coronavírus. Para isso, os estados e o governo federal têm, cada um, seus próprios papéis que precisam ajustar-se.** Os EUA são hoje o país com a maioria dos casos de coronavírus no mundo. É provável que mantenham esse título nos livros de história. Duas razões fundamentais são: a descentralização do governo e a preocupação com o impacto econômico das medidas agressivas de distanciamento social. Eis o que vamos cobrir hoje, com muitos dados, gráficos e fontes: 1. Qual é a situação nos EUA e seus estados 1. Porque o coronavírus deve ser uma questão bipartidária 1. A economia do controle do vírus 1. Quais decisões devem ser deixadas para o governo federal ou para os estados Aqui está o que você vai conseguir extrair: O coronavírus está crescendo em toda parte nos EUA. Alguns estados estão a caminho de controlá-lo. Outros têm surtos maciços que tornam o surto da China menor em comparação. Muitos não estão preparados e vão sofrer alguns dos piores surtos. Todos os eleitores se preocupam com isso, Democratas e Republicanos. Os Democratas foram os primeiros atingidos. Mas os Republicanos têm mais a perder. Eles são mais velhos e mais propensos a morrer. A maior parte das hesitações vem do custo percebido de suprimir o vírus. Felizmente, é mais barato suprimi-lo do que deixá-lo correr solto. Nós devemos fazer isso. Mas, neste momento, os estados estão se descuidando. É uma bagunça. Eles estão competindo uns contra os outros ao invés de colaborar. Eles podem ser forçados a fechar suas fronteiras uns com os outros. Há um papel para os estados e um papel para o governo federal. O governo federal coordena, os estados executam. Se os dois se aproximarem, vamos salvar vidas e aumentar o PIB. # 1. A Situação Atual nos Estados Unidos Há algumas semanas, eu compartilhei este gráfico para alertar as pessoas do que estava por vir em outros países. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_de813e7eccc31ffad401e4530ac88d6f.png) Esta é uma atualização quatro semanas depois sobre todos esses países que pareciam tão pequenos acima: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_c54745c6d2690aed30445e124dfdc33e.png) Note que agora estou acrescentando a China, o que mostra como a situação é ruim. O eixo vertical passou de um máximo de 6.000 para 200.000. Um fator de 33x em quatro semanas. Esquecemos rapidamente estas ordens de magnitude, mas vale a pena lembrar: há três semanas, os EUA tinham menos de 1.000 casos e ainda havia um debate sobre se haveria uma epidemia. É assim que se parece o crescimento exponencial. E você pode ver a trajetória. Não é nada bom. Vamos expandir, olhando para o nível estadual. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_322d4654a473679e4db7dfd3f786537e.png) Nova York costumava se destacar do resto, mas agora Nova Jersey está se juntando a ela. Note que a partir de 31/03, apenas quatro países têm mais casos do que Nova Iorque. E ainda acrescenta milhares de casos por dia. Lembra-se de como nós ampliamos para o canto inferior direito para ver os países emergentes do coronavírus? Vamos fazer isso novamente, desta vez com os estados, tirando Nova York e Nova Jersey. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_35d9d208a6368ee0232fabb5629b9ec3.png) Ah, e só para contextualizar, este é o ponto em que Hubei fechou. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_89f8892faba5a9a092107414dbad82fd.png) > Eu uso números absolutos (total de casos) ao invés de números relativos (casos per capita) porque aqui estamos tentando avaliar se há ou não um surto. Números absolutos mostram se há um agrupamento e qual o seu tamanho. O per capita não mostra isto. Por exemplo, se Liechtenstein tivesse 5 casos, pareceria uma emergência nacional em números relativos, mas não é nada. Ao avaliar os surtos, os números absolutos são mais relevantes. Ao avaliar o quão ruim a situação foi a posteriori, os números relativos serão mais relevantes. A outra razão é que os números relativos são muito mais difíceis de serem processados. [color=#907bf7] De agora em diante, vou usar "Hubeis" como medida, porque todo mundo tem uma boa noção do que aconteceu lá. Um "Hubei" é uma região que tem mais casos do que o Hubei quando foi fechada. Hubei fechou com 444 casos confirmados, e acabou com cerca de 70.000 casos e 3.200 mortes. Como regra geral, uma região que tem mais casos do que Hubei, mas não tomou as mesmas medidas que Hubei, pelo menos tão cedo quanto eles é muito provável que acabe com mais casos e mais mortes do que Hubei. Então agora temos 33 estados (34 incluindo Washington DC) com mais casos do que Hubei quando fechou (respondendo por 92% do PIB dos EUA). Eu tive que reconstruir esses gráficos 3 vezes em 5 dias porque eles rapidamente se tornaram ultrapassados. Havia "apenas" 13 Hubeis nos EUA na sexta-feira; agora são 33. > **33 Estados dos EUA têm mais casos do que o Hubei quando ele fechou** Aqui está uma visualização geográfica de todos os municípios onde há casos. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_98cc667e549d916ae9ad98a7786ee5f5.png) Mas esses não são casos reais. São apenas casos oficiais. Quão próximos estão os casos oficiais dos casos reais? Depende do quanto você testar: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_8cfafa79213f6382a122bef65a3b849e.png) Este gráfico mostra a proporção de testes que são positivos. No caso da Espanha, com 50% dos casos positivos, é muito provável que estejam faltando muitos casos. Como resultado, é muito provável que a Espanha tenha muito mais casos do que os 100.000 que reporta. Podemos ver que os países que estão fazendo um bom trabalho no controle do vírus entendem a situação porque identificam a maioria dos casos. Vietnã, Taiwan, Cingapura, Coréia do Sul e Alemanha têm menos de 4% de positivos. Provavelmente ainda estão subestimados, mas provavelmente não por muito. Então, como é isso nos EUA? ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_8f79058e54056c1240bcad0baca754c7.png) >Se você estiver procurando por locais de teste próximo de onde você vive nos EUA, [aqui está uma boa fonte](https://my.castlighthealth.com/corona-virus-testing-sites/) Há alguns estados que têm testes suficientemente bons para se aproximarem do número real de casos: Novo México, Havaí, Dakotas e Minnesota têm níveis de testes similares aos da Coréia do Sul. Mas todos eles também têm poucos casos. Assim que um estado tem um surto, ele fica sobrecarregado, não consegue acompanhar os testes, e subestima o número real de casos. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_017b44d276258816e67007c24a33e48c.png) Então, como os estados podem avaliar quantos casos eles realmente têm? Assumindo uma taxa de fatalidade de 1% (um em cada 100 casos morre), você pode ter uma estimativa de casos verdadeiros: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_ecfd8bd992ae4a7629c4fa933d39aaac.png) Essa aproximação dobraria o número de casos oficiais, de ~200.000 hoje oficialmente, para ~400.000. Isto ainda deve ser uma subestimação, pois as pessoas levam em média 3 semanas para morrer do coronavírus. Isto desconsidera o tempo para a morte. Se, em vez disso, usarmos o cálculo do tempo de espera de três semanas atrás, onde uma morte hoje significa 100 casos há três semanas (taxa de mortalidade de 1%, e leva em média 3 semanas de contágio até a morte), e estes dobram a cada semana durante três semanas, de modo que acabam se tornando 800 casos hoje, a situação se torna muito mais terrível. Mesmo que assumamos que os casos dobraram apenas duas vezes nas últimas duas semanas por causa das medidas de distanciamento social, é isso que vemos: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_4ecb1cacd7c18554c4d4524f104b8760.png) De acordo com isso, mais de um milhão de pessoas já estão infectadas nos EUA, e a maioria dos estados teria milhares de casos. Como eu usei duas duplicações ao invés de três, é provável que isso ainda seja uma subestimativa. Então vamos resumir até agora: estamos numa situação em que os EUA têm 33 estados com mais casos que o Hubei, e provavelmente muitos mais, mas não tem como saber com certeza porque não está testando o suficiente. # 2. O Caso Bipartidário contra o Coronavírus Você deve ter notado que, como regra geral, os estados que têm mais casos são Democratas. ## **O Coronavírus Atinge Primeiro as Áreas Urbanas** Grandes áreas urbanas normalmente estão mais conectadas com o resto do mundo através de viagens. Isso significa que eles têm importado mais casos, mais rápido. Elas também têm maior densidade urbana, o que significa uma maior taxa de transmissão do vírus. Quanto mais pessoas estiverem por perto, mais você se encontra a cada dia, e mais rápido o vírus se espalha. Como os votos nas áreas urbanas tendem a ser mais para os Democratas, os estados hoje controlados pelos governadores democratas foram impactados pelo vírus mais cedo, então eles tomaram medidas mais cedo. Não é coincidência que Nova York seja o Ground Zero para o coronavírus nos EUA, e que a área da Baía de São Francisco tenha sido inicialmente uma das mais impactadas. Talvez seja por isso que São Francisco pediu um abrigo em 16/3, Califórnia em 19/3 e Nova York em 20/3 - bem antes de outras grandes cidades e estados. O fato de estados democráticos terem sido atingidos antes explica porque os eleitores democratas estavam preocupados com o coronavírus mais cedo. Como mais e mais casos têm surgido em diferentes estados, a preocupação com o vírus tem crescido em ambos os lados. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_994c0497ec4f4b29a03845b77d3291ac.png) Source: [Civiqs](https://civiqs.com/results/coronavirus_concern), via the [New York Times](https://www.nytimes.com/interactive/2020/03/21/upshot/coronavirus-public-opinion.html) Este [gráfico](https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/b_schaffner/status/1242098115273986048&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fpbs.twimg.com%252Ftweet_video_thumb%252FETzQh-lWsAoHgBY.jpg%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07) foi atualizado há apenas duas semanas. Como a polarização estará hoje? Agora, ambos os partidos estão igualmente preocupadas. Isso é importante, porque o vírus está prestes a atingir duramente os estados Republicanos. ## O Coronavírus vai atingir também os republicanos Este é o crescimento dos casos de Coronavírus em estados que hoje têm um governador republicano: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_478031ddffaae94cd6981c57a3543301.png) Existem 16 Hubeis entre os estados republicanos (estados com mais casos do que Hubei quando fechou). Com as taxas de crescimento atuais, até a próxima semana serão 22. Como lembrete, Hubei acabou com mais de 70.000 casos e 3.000 mortes. Não surpreende que tanto os eleitores democratas quanto os republicanos defendam fortemente medidas para conter o vírus: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_b59d62222b7637f13d6afe8900fd2861.png) [Link para o artigo](https://www.people-press.org/2020/03/26/views-of-how-officials-public-have-responded-to-covid-19/) É notável que a maioria dos eleitores de ambos os partidos apoiem cada uma das medidas acima. Os eleitores querem medidas duras contra o coronavírus. Então, que medidas estão sendo tomadas pelos estados controlados pelos republicanos? ## Medidas contra os Coronavírus nos Estados controlados pelos Republicanos ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_7b18bc69f1da82b2a5858fcdcc6e0ed6.png) Detalhes das medidas por estado também podem ser encontrados no site da [Kaiser Family Foundation](https://www.kff.org/health-costs/issue-brief/state-data-and-policy-actions-to-address-coronavirus/). Atualizado a partir de 29/03/2020 Em uma decisão cuidadosa, [todos](https://www.kff.org/health-costs/issue-brief/state-data-and-policy-actions-to-address-coronavirus/#socialdistancing) os cinquenta estados emitiram pelo menos uma Declaração de Emergência do Estado, e muitos são muito mais rigorosos. Por exemplo, o Alasca, apesar de uma densidade populacional muito baixa, [adotou medidas fortes, como o isolamento residencial](https://www.adn.com/alaska-news/2020/03/27/anchorage-sees-first-covid-19-death-in-alaska-hospital-officials-say/), proibições de viagens e o fechamento de grandes negócios. A Virgínia Ocidental estabeleceu o isolamento residencial com apenas 40 casos. Essas medidas fazem sentido, dados os desafios únicos de oferecer assistência médica em todo o Alasca e o fato de a Virgínia Ocidental ter sido classificada em 44º lugar em saúde geral e em 48º em cuidados clínicos. Mas a maioria ainda está muito aquém das medidas que precisam ser tomadas. Por exemplo, a Flórida ainda não tem nenhuma proibição para grandes reuniões, nenhum fechamento de negócios e nenhuma ordem de permanência em casa além das quarentenas para os viajantes. No entanto, ela lidera todos os outros estados controlados pelos republicanos em termos de casos. Pior ainda, a Flórida acaba de exportar de volta através dos Estados Unidos inúmeros [viajantes de férias de primavera](https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/tectonixgeo/status/1242628347034767361&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fpbs.twimg.com%252Fext_tw_video_thumb%252F1242627274098331649%252Fpu%252Fimg%252F5gwovxSlt427sduE.jpg%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07) que saíram juntos em reuniões de massa, especialmente nas praias que o estado se recusou a fechar. A Geórgia, outro estado líder em termos de casos, tomou medidas semelhantes às da Flórida, exceto que bares e restaurantes ainda estão abertos com serviço limitado, e os grupos de alto risco são solicitados a ficar em casa. Enquanto isso, o Mississippi, com quase 1.000 casos, requer uma febre de 37,8 ^o^C e tosse grave ou dor no peito para receber o teste, e no dia 24 de março, o governador reverteu as paralisações não essenciais aplicadas pelas jurisdições locais. Países como Coreia do Sul ou Singapura podem escapar com medidas leves de distanciamento social porque têm testes extensivos, rastreamento de contatos, quarentenas, isolamentos e proibições de viagens: graças a essas medidas, eles podem identificar rapidamente os casos e evitar que infectem outros. Esse não é o caso de muitos desses estados. Como vimos, a maioria tem testes ruins. O rastreamento de contatos é pior: nenhum estado nos EUA tem um bom processo a partir de hoje. É por isso que a maioria dos estados precisa aplicar [O Martelo](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56) - uma estratégia de forte distanciamento social por algumas semanas - para controlar o vírus e ganhar tempo para estabelecer essas medidas. Mas muitos estados também não estão fazendo isso, especialmente quando governados por governantes republicanos: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_9fd14825d6c5d32cedcd5c9b2fc64a85.png) Os estados controlados pelos republicanos têm tido uma enorme vantagem: Eles viram o que aconteceu com seus irmãos controlados pelos democratas, mas como eles são em média mais rurais, o coronavírus levou tempo para chegar até eles. Mas ele vai chegar até eles. Alguns estados rurais, como Alasca ou Idaho, aproveitaram esse atraso. Outros, como Oklahoma, Mississippi ou Missouri, não estão tomando medidas suficientes para conter o vírus: Ele continuará se espalhando invisivelmente, infectando as pessoas destes estados. Atualização: os estados de Mississippi, Nevada, Geórgia e Flórida [estabeleceram](https://www.nytimes.com/interactive/2020/us/coronavirus-stay-at-home-order.html) diretrizes estaduais para que os cidadãos fiquem em casa no mesmo dia em que este artigo foi publicado. Os legisladores estaduais consideram muitas coisas ao decidir que medidas tomar, principalmente a saúde e a economia. Outro fator que certamente está em sua mente, mas não é muito discutido, é o cálculo político. ## O Coronavírus Mata Mais os Eleitores Republicanos A maioria dos leitores conhece as taxas de fatalidade por faixa etária: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_02d904b46690b5fc68748296444d505a.png) O que eu não tenho visto muito é a sobreposição deste gráfico com o partidarismo: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_d548c326dafdbc42378c66bdb1c4cbd1.png) Quanto mais velho você for, maior é a probabilidade de você votar para o partido Republicano e morrer do coronavírus. Eleitores com mais de 80 anos são 80 vezes mais propensos a morrer do coronavírus do que aqueles com menos de 40 anos (taxa de 16% de fatalidades contra ~0,2%). Este efeito é suficientemente forte para que as pessoas que votaram no Trump nas eleições de 2016 tenham cerca de 30% mais probabilidade de morrer por causa do coronavírus do que os Democratas. Em alguns estados do sudeste da eleição de 2016, como a Pensilvânia, se o coronavírus tivesse ocorrido, [só esse efeito](https://docs.google.com/spreadsheets/d/1Hm4PEEOakYYqOhcZqANyI3pfYqieoVO5Ay2qPlny-eU/edit?usp=sharing) poderia ter eliminado até 30% da diferença entre republicanos e democratas nas eleições de 2016. >Republicanos infectados têm 30% mais probabilidade de morrer do coronavírus do que os democratas por causa de sua idade Isto mostra a perda de eleitores por mortes por coronavírus. Não contabiliza outros efeitos, como os votos dos familiares do falecido que possam estar com raiva dos políticos pela morte evitável de seus entes queridos, ou danos colaterais de pessoas que possam morrer devido a um sistema de saúde em colapso, ou dos familiares dessas pessoas, ou outros efeitos secundários. Muitos outros fatores irão prejudicar mais os eleitores rurais do que os urbanos. Por exemplo, o sistema de saúde tem muito menos capacidade nas áreas rurais. A população rural tende a ter pior saúde, portanto, uma maior probabilidade de comorbidades que aumentam a taxa de fatalidade do coronavírus. Além disso, eles não são mais poupados pelas infecções: a estação da gripe tende a ser retardada na zona rural em comparação com a urbana, mas quando atinge, atinge com muito mais força. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_9f3e48cc003bb83f5886d4cac8527bf1.png) > Este gráfico mostra como a epidemia de gripe afeta 600 cidades americanas com base em seu tamanho. As cidades maiores são mais para a direita e têm círculos maiores, então as pequenas bolhas à esquerda mostram cidades menores. O eixo vertical representa o quanto a estação da gripe está concentrada em semanas específicas. Podemos ver que as grandes cidades se concentram na parte inferior direita, o que significa que suas epidemias estão espalhadas por muitas semanas. Ao contrário, quanto menores as cidades são, mais elas tendem a estar no canto superior esquerdo, o que significa que suas epidemias estão concentradas em menos semanas. Acredita-se que isto seja causado parcialmente pelo fato de que sempre há alguma transmissão e, portanto, ocorre imunidade permanente do rebanho nas áreas urbanas. Este não será o caso do coronavírus, pois ainda não há imunidade do rebanho, mas o que isto ilustra é que as cidades menores não são poupadas por serem pequenas. Elas são atingidas, e quando o são, a epidemia também atinge duramente. Na medida em que os governadores republicanos hesitam em declarar medidas rígidas de contenção por razões políticas, acabará ficando claro que eles fizeram a política exatamente andar para trás: instituir medidas mais rígidas no início teria ajudado a manter vivos os seus eleitores mais leais. # 3. Coronomia A principal hesitação de alguns formuladores de políticas americanas em tomar medidas fortes e precoces contra o coronavírus vem de *tradeoffs* econômicos entre duas abordagens muito diferentes. 1. [Mitigação](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56): Tome algumas medidas agora, mas não seja muito agressivo. Apenas achatar a curva, atravessar a epidemia, construir imunidade do rebanho e voltar aos negócios como sempre. Isto tem o benefício de evitar um choque econômico no início, pois a economia não fecha por algumas semanas ou meses. Mas durante a epidemia, as pessoas evitarão ir ao trabalho ou consumir, por medo de serem infectadas. Esse pânico contínuo pode pressionar a economia enquanto as pessoas acreditarem que a epidemia está descontrolada. 1. [Supressão (O Martelo e a Dança)](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56): Aplique um "Martelo" no início e feche a economia por algumas semanas ou meses. Isso vai levar as infecções a quase zero, dando tempo para organizar tudo, desde testes até rastreamento de contatos. Uma vez que os dados dos testes indicam que é seguro, avance em direção à "Dança", um período em que as medidas de distanciamento social são reduzidas, mas ainda assim algumas medidas podem ser necessárias, dependendo da situação. Ambas as abordagens têm ramificações e custos. Por exemplo, o pesado custo psicológico do medo do vírus ou da perda de um emprego pode deprimir os consumidores e sua renda, reduzindo seus gastos. O choque de demanda resultante pode colocar as empresas fora do negócio se elas não tiverem dinheiro suficiente e os bancos não quiserem emprestar. Se muitas dessas empresas saírem do negócio, o próprio sistema financeiro pode ser imperioso. Os consumidores, particularmente chocados por perdas em suas contas de aposentadoria, poderiam aumentar significativamente sua taxa de poupança - o que significa reduzir significativamente o consumo por anos. Então, no geral, qual é o impacto econômico de cada uma delas? ## Panorama Geral das Pandemias Antes de saltarmos para a comparação, é útil dar um passo atrás e colocar toda essa coisa pandêmica na perspectiva econômica: quão ruim isso vai ser economicamente nos próximos anos? Estes são os cenários potenciais: ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_c5d197d0e5df3ef19f987e7100d9c353.png) Existem 3 cenários: - Podemos voltar ao normal. A BCG e a Harvard Business Review chamam isso de "V-shape". - Podemos voltar a crescer como antes, mas tendo perdido PIB suficiente para nunca mais recuperar esse crescimento e levar alguns anos para voltarmos ao mesmo nível da economia. Podemos chamar isso de "U-shape". - A queda é grande e depois há algumas questões que permanecem na economia e não voltamos ao mesmo nível de crescimento do PIB. Podemos chamar isso de "L-shape". Estes podem impactar o nível do PIB, bem como o seu crescimento. O cenário que cada país vai passar depende de como reagirmos, mas no grande esquema das coisas, após um ano de dor, é provável que voltemos ao normal. Deixe-me explicar. Uma [análise recente](https://www.nber.org/papers/w26866.pdf) mostrou que a pandemia de 1918 reduziu o PIB per capita médio do país em 6%, e o consumo em 8% por um ano. E ainda assim, [para a maioria das pandemias do século 20](https://hbr.org/2020/03/what-coronavirus-could-mean-for-the-global-economy), a economia voltou ao normal depois. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_e6fe08c3c33ae431d8fc5b8d7ff1d0e4.png) [Link para a fonte](https://hbr.org/2020/03/what-coronavirus-could-mean-for-the-global-economy) Isto é importante porque coloca toda a discussão em perspectiva: O que decidirmos hoje terá impacto na vida e na economia a curto prazo. Há também riscos na economia de hoje que são diferentes dos do passado. Entretanto, o que a história nos ensina é que, geralmente, após uma pandemia, a economia volta ao normal. As decisões que tomarmos terão um impacto tremendo este ano e no próximo, mas economicamente, em poucos anos é provável que o impacto seja mínimo. ## Então Qual é a Melhor, a Mitigação ou a Supressão? A complexidade dos resultados econômicos de mitigação e supressão é tal que é muito difícil de modelar. Se ao menos houvesse um teste da vida real onde pudéssemos comparar as diferentes estratégias... Acontece que há. Na pandemia de 1918, diferentes cidades dos EUA tinham abordagens diferentes para a pandemia. Algumas tomaram a iniciativa, como a Filadélfia, com medidas que chegaram tarde demais e por um curto período de tempo. Outras cidades, como St. Louis, tomaram medidas rapidamente e por um período de tempo mais longo. Já [falei sobre](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-act-today-or-people-will-die-f4d3d9cd99ca) essas cidades no passado, mas apenas sobre os índices de fatalidade. Um *[paper](https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3561560)* crucial que saiu na quinta-feira, 26 de março, agora também compara suas medidas com seus resultados econômicos. Antes de mostrar seus resultados, é importante nos perguntarmos: O que devemos esperar encontrar? ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_05b7d032827586b8f138e9706b1ae785.png) É fundamental entender este gráfico. No eixo horizontal, temos a mortalidade. No vertical, como proxy do crescimento econômico, temos o crescimento do emprego. Este gráfico ilustra a hipótese, não os dados reais: Os pontos vermelhos são cidades hipotéticas que impõem poucas medidas de distanciamento social, enquanto os pontos verdes são cidades que tomam medidas de distanciamento social mais fortes. Se de fato as medidas de distanciamento social tivessem sido ruins para a economia, o que devemos ver é que cidades com taxas de mortalidade mais elevadas (porque aplicaram medidas que eram muito pequenas tarde demais) tiveram um crescimento econômico maior nos anos seguintes. Foi isso que encontramos de fato? ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_329c0ba1b93df5b595d2359e58ef1701.png) >Este é um dos gráficos mais complexos de todo este artigo, então vamos explicá-lo um pouco. Os pontos vermelhos são cidades que tinham medidas de distanciamento social mais fracas do que a média. Os pontos verdes são cidades que tinham medidas de distanciamento social mais fortes do que a média. A linha mostra a tendência: mais mortalidade significava menos emprego após a pandemia. A área cinza mostra o intervalo de confiança: a verdadeira tendência provavelmente está dentro dessa área, o que significa que é extremamente provável que tenha sido uma tendência de queda. Como o vírus atingiu a Costa Leste primeiro, as cidades do Oeste tiveram tempo para aprender com as cidades do Leste e tomar medidas mais fortes e rápidas. Isso, no entanto, gera um viés. Há mais vieses, como o de que cidades mais ricas poderiam administrar melhor a crise de saúde, mas poderiam ser mais afetadas pelo vírus, ou cidades com maior densidade poderiam ser mais afetadas. Assim, pesquisadores controlaram por fatores como densidade, riqueza, população... Seus controles foram a parcela de empregos na agricultura de 1910, a parcela de empregos na manufatura de 1910, a parcela de população urbana de 1910, a renda per capita de 1910 e a população log 1910. Os pesquisadores encontraram o oposto da hipótese. A "mitigação", a estratégia onde as medidas tomadas são mais fracas, foi muito pior para a economia do que a "supressão", medidas de distanciamento social mais pesadas. Como você pode ver, a maioria dos pontos verdes estão no canto superior esquerdo (menos mortes, mais crescimento econômico) e os pontos vermelhos estão no canto inferior direito (mais mortes, menos crescimento econômico). Juntos, eles formam uma tendência: quanto mais pessoas morrem (porque há medidas de distanciamento social mais fracas), mais fraca é a economia depois. Não só isso, mas isso foi verdade tanto para o tempo em que as medidas foram tomadas quanto para a rapidez com que foram decretadas. E não foi apenas pela perda de mais trabalhadores: Continua sendo verdade para outros indicadores econômicos, como o crescimento do valor da manufatura e o crescimento dos ativos bancários nacionais. Pelos gráficos abaixo, a conclusão é que mais medidas de distanciamento social foram melhores para a economia, não importa como você olhe para ela. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_a5c87d8ad19450fe184c55dee1f2fcdb.png) ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_b204a1aa955954c3e08040a0bc17c9b4.png) Aqui estão algumas citações diretamente do *paper*: > "Nossas descobertas sugerem que as pandemias podem ter custos econômicos substanciais, e as MNF (Medidas Não Farmacológicas) podem ter méritos econômicos, além de reduzir a mortalidade". > "Cidades que intervieram mais cedo e de forma mais agressiva experimentam um relativo aumento da atividade econômica real após a pandemia". > "As áreas mais severamente afetadas experimentam um declínio relativo no emprego na manufatura, na produção industrial, nos ativos bancários e nos bens de consumo duráveis". > "Os declínios em todos os resultados são persistentes, e as áreas mais afetadas permanecem deprimidas em relação às áreas menos expostas entre 1919 e 1923". > "Reagir 10 dias antes da chegada da pandemia em uma determinada cidade aumenta o emprego na indústria transformadora em cerca de 5% no período pós-publicidade. Da mesma forma, a implementação de MNF por mais 50 dias aumenta o emprego na manufatura em 6,5% após a pandemia". Obviamente, existem diferenças entre a pandemia de gripe de 1918 e a pandemia de coronavírus de 2020: Esta afeta pessoas mais velhas, tem uma taxa de fatalidade menor, o sistema de saúde é mais forte, as pessoas podem trabalhar mais de casa, estamos muito mais conectados para que o vírus se espalhe mais rapidamente por toda parte... Não sabemos o que seria verdade para esta pandemia. Mas... a única evidência econômica que temos de medidas de distanciamento social é que elas ajudaram, ao invés de prejudicar, a economia. Que outros dados podemos analisar para avaliar quão ruim poderia ser a repressão para a economia? E quanto aos mercados? ## Qual a reação do mercado de ações chinês ao Lockdown (fechamento) de Hubei ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_9bc5c300ac4bfa7eb2785a9f98dd9d15.png) A China é o único bom exemplo para entender como os mercados valorizam um surto maciço, pois é o único país que teve um enorme e que (aparentemente) foi capaz de controlá-lo. Quando Hubei fechou, os mercados entraram em pânico. Mas assim que eles estavam em baixa, começaram a voltar a subir novamente. No início de março, eles tinham voltado ao normal, seu nível antes do fechamento, e um nível semelhante ao do ano anterior. O que isso significa é que os investidores acreditavam que o fechamento total de uma área de 60 milhões de pessoas quase não estava registrado no grande esquema de coisas. Somente quando o coronavírus se tornou uma pandemia é que os investidores começaram a se preocupar novamente. Mas o que importa aqui é como eles valorizaram o custo do fechamento. A resposta parece ser: Não muito. A propósito, no dia em que o presidente Trump anunciou a Emergência Nacional, [os mercados subiram](https://techcrunch.com/2020/03/13/stocks-spike-as-president-trump-declares-national-emergency/). Isso não é muita informação, mas precisamos perceber que estamos tomando decisões que podem custar milhões de vidas com muito poucos dados. Qualquer informação que tenhamos precisa fazer parte de nossa análise. E até agora, todas as evidências que temos sugerem que uma estratégia de supressão não seria mais cara do que a mitigação, mas sim o contrário. Ok, vamos dar um passo atrás. Agora temos algumas evidências disso: - As pandemias do século 21 tenderam a ter um efeito de curto prazo na economia - Medidas de distanciamento social mais rápidas e mais longas provavelmente beneficiam a economia - Um lockdown que pode controlar um surto foi suficiente para aumentar a confiança dos investidores para trazer o mercado acionário chinês de volta aos níveis anteriores ao lockdown. Com base no pouco que sabemos hoje, parece que a Supressão é economicamente melhor do que a Mitigação, uma vez que se tem um surto. ## O Preço de uma Vida Um dos principais desafios que os legisladores têm ao comparar Supressão e Mitigação é que os tradeoffs entre vida e dinheiro são difíceis. O maior benefício da Supressão, as vidas salvas, não podem ser traduzidas em dinheiro. Mas pode. > O custo em mortes para os EUA oscilaria entre US$ 750 bilhões e US$ 15 trilhões. Nós fazemos isso o tempo todo. Em seguros, farmacologia ou saúde, por exemplo, a sociedade tem que decidir quanto vale uma vida. Esta é uma realidade dolorosa na área da saúde: Nós não temos recursos infinitos. Não podemos, infelizmente, tratar a todos por tudo. Caso contrário, iríamos à falência. Como sociedade, somos obrigados a tomar decisões: Como devemos gastar os recursos limitados que temos? Que medidas valem a pena pagar, e quais são muito caras? A maneira [de calcular](https://en.wikipedia.org/wiki/Value_of_life) isso é perguntando a nós mesmos: Quanto estamos dispostos a pagar para prolongar nossa vida? Na [saúde](https://en.wikipedia.org/wiki/Quality-adjusted_life_year) nos EUA, [esse número fica](https://mfprac.com/web2019/07literature/literature/Misc/QUALYs_Neumann.pdf) entre US$50.000 e US$150.000 por ano. Se assumirmos que a idade média de morte por coronavírus é [78](https://www.epicentro.iss.it/coronavirus/bollettino/Report-COVID-2019_26_marzo_eng.pdf) anos, essas pessoas têm em média [mais 10 anos de vida](https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7565998), o que significa que o paciente médio com coronavírus pagaria até $1,5 milhões para evitar a morte (10 anos * US$150.000 por ano). > Nós não vivemos para ganhar dinheiro. Nós ganhamos dinheiro para viver. Em [minha publicação anterior](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56), expliquei como as mortes diretas de uma estratégia de mitigação nos EUA poderiam variar entre 500.000 e mais de 10 milhões. Como lembrete rápido, é o resultado de assumir que a proporção da população americana que é infectada varia entre 40% e 75%, e a taxa de mortalidade varia entre 1% (atualmente 1,5% na Coreia do Sul, o país com alguns dos melhores testes e sistemas de saúde) e 4% (região de Hubei). Observe que a taxa de fatalidade atual na Itália é de ~10%, mas provavelmente devido a menor contagem de casos). Isso não contabiliza os danos colaterais (outras pessoas que morrem por não terem acesso a cuidados de saúde urgentes), o que poderia aumentar muito a taxa de mortalidade. Se contabilizarmos o quanto valorizamos a vida, o custo do coronavírus em mortes para os EUA estaria entre US$ 750 bilhões e US$ 15 trilhões. Para contextualizar, isso fica entre 4% e 75% do PIB. O custo em vidas seria espantoso. Vamos resumir todas essas informações ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_d5402565c0425bf5fb76779d04b2f254.png) >Notas: algumas pessoas me perguntaram como é possível que o valor da vida de algumas pessoas seja comparável ao tamanho do PIB. O PIB é, grosso modo, o valor criado em um ano, não a riqueza total que temos. A riqueza total que temos nos EUA é de aproximadamente US$1 milhão por pessoa em média, o que significa que a riqueza dos EUA é de ~$320 trilhões. Isso não contabiliza a riqueza em termos de vida, mas coloca em perspectiva o custo de 15 trilhões de dólares em vidas. Também não falei sobre os custos para a economia da fase de Dança da estratégia de Supressão, uma vez que as pesadas medidas de distanciamento social se esgotam. Isso porque, se bem feito, os países podem "dançar" apenas com um pequeno subconjunto de medidas que não custam muito: testes, rastreamento de contatos, quarentenas, isolamento, educação higiênica e proibição de viagens. Note finalmente que uma estratégia de supressão custaria a toda a sociedade, mas beneficiaria mais as pessoas mais velhas, pois elas são as mais propensas a serem salvas por essas medidas. Como tal, elas são uma transferência de riqueza de toda a sociedade para os nossos idosos, que nos EUA tendem a votar republicano. Algumas sociedades estão adotando uma abordagem de "sobrevivência dos mais aptos", expondo suas populações ao vírus e deixando morrer os fracos. Mas parece que essa abordagem pode enfraquecer mais essas sociedades, fazendo com que elas, por sua vez, não sejam as mais aptas a enfrentar essa epidemia. Todos esses números, com a surpreendente conclusão de que uma estratégia de supressão seria provavelmente menos onerosa do que uma estratégia de mitigação. Mas estes números obscurecem uma verdade maior: :::info Nós não vivemos para ganhar dinheiro. Nós ganhamos dinheiro para viver. ::: E a melhor maneira de ilustrar isso é através da guerra. # 4. De Muitos, Um ## Isto é Guerra O presidente Trump colocou isso muito claramente no dia 18 de março: [Isto é guerra](https://www.whitehouse.gov/briefings-statements/remarks-president-trump-vice-president-pence-members-coronavirus-task-force-press-briefing-5/). Ele comparou os sacrifícios que precisaremos fazer com os da Segunda Guerra Mundial. É exatamente assim que devemos olhar para o problema. Imagine que tínhamos agentes estrangeiros. Eles se infiltraram nos Estados Unidos. Eles são invisíveis. Eles estão se espalhando pelo país: lentamente, silenciosamente. E então, eles atacam: rapidamente, aleatoriamente. As pessoas começam a cair para a esquerda e para a direita. Em questão de dias, o número de mortos do 11 de setembro é passado, e depois eclipsado. Em algum momento, fica claro que o número de mortos será pior que o do Iraque. Pior do que o Vietnã. [Pior do que a Segunda Guerra Mundial](https://medium.com/@tomaspueyo/coronavirus-the-hammer-and-the-dance-be9337092b56). Pior do que todas as guerras da América juntas. Se isso estivesse acontecendo, os EUA parariam tudo o que estão fazendo e concentrariam toda a sua atenção e dinheiro para vencer esse inimigo. É por isso que os EUA têm os militares mais poderosos do mundo. É por isso que gastou [2,4 triliões de dólares](https://en.wikipedia.org/wiki/Financial_cost_of_the_Iraq_War) nas guerras contra o Iraque e o Afeganistão. É por isso que, durante a Segunda Guerra Mundial, [dois terços](https://en.wikipedia.org/wiki/War_economy) da economia americana foram integrados no esforço de guerra: para vencer os inimigos que ameaçam os Estados Unidos. Isto é o que deveria estar acontecendo agora. O fato de os nossos inimigos serem vírus invisíveis e não agentes invisíveis não muda muito. Pelo contrário, isso só facilita, porque somos mais espertos que eles e podemos vencê-los. Mas só uma entidade pode declarar guerra e aproveitar os recursos que precisaríamos: o governo federal. ## Sobrevivência do mais apto A China tinha uma resposta centralizada para o coronavírus. A Coreia do Sul teve uma resposta centralizada. Taiwan. Itália. Espanha. França. Reino Unido. Polônia. Índia. Todas as respostas centralizadas. Enquanto isso, até agora nos EUA, temos deixado os estados assumirem a liderança. Há muitas situações em que essa abordagem é razoável. Mas travar guerra contra uma ameaça exponencialmente crescente que todos os países enfrentam ao mesmo tempo não é uma dessas situações. Temos um pacote de 2 trilhões de dólares para combater o coronavírus. É um orçamento semelhante ao de uma guerra, mas sem medidas de guerra. O governo tem invocado a Lei de Produção de Defesa, por exemplo, mas ainda não a utilizou. Como resultado, estados e empresas estão lutando para enfrentar o desafio, mas, em alguns lugares, estão se afogando. ## Guerra comercial por suprimentos Um dos melhores exemplos é a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs), como máscaras, óculos de proteção, aventais ou luvas. Os distribuidores médicos tradicionais como Cardinal Health ou McKesson estão fazendo o que podem para obter os EPIs do centro fabril do mundo, a China. Só que a China está fechada para negócios há quase um mês. Assim como a oferta caiu, a demanda explodiu ao redor do mundo, com pedidos de magnitude maior de todos os países do mundo para mais de tudo. Mesmo se a China quisesse, não poderia suprir tudo. Isso assumindo que a China queira. No meio de uma guerra comercial com os EUA, e com um mercado negro muito mais lucrativo do que o oficial, os canais tradicionais não funcionam. Os fornecedores estão vendendo para o maior licitador. Quando há vontade, podemos superar esses desafios, como o recente [transporte aéreo de suprimentos médicos](https://www.nytimes.com/reuters/2020/03/29/world/asia/29reuters-health-coronavirus-trump-airlift.html) liderado pela Casa Branca. Mas isto é fragmentado agora, não é uma abordagem sistemática. ## Caos para aquisição de EPIs O país está mobilizado. Todo mundo quer ajudar, da [tecnologia](https://thenextweb.com/corona/2020/03/16/what-the-worlds-biggest-tech-companies-are-doing-to-fight-coronavirus/) à [educação](https://www.coursehero.com/blog/course-hero-covid-19/). Na área da saúde, centenas de iniciativas surgiram para produzir os EPIs de que nossos profissionais de saúde precisam. Fábricas de todo o país estão tentando mudar sua produção para máscaras, [telas faciais](https://www.indiegogo.com/projects/10-000-face-shields-for-covid-19-health-workers) ou qualquer outro EPI. Mas eles não têm dinheiro, projetos ou logística para começar, e não sabem por onde vender. Dezenas de organizações têm surgido para ajudar, como a [Coligação de EPIs.](https://www.ppecoalition.com/) Mas precisamos de um esforço mestre para coordenar imediatamente todos os fabricantes, financiadores, designers, advogados, especialistas em logística e clientes em um só lugar. Se tivéssemos meses, o setor privado poderia descobrir isso. Mas nós temos dias. Quando você precisa de velocidade, você precisa de um único ator coordenando tudo, e é óbvio que seja o governo federal. Mas a resposta até agora tem sido que os estados resolvam sozinhos. O governo federal tem dito aos governadores estaduais para encontrarem ventiladores sozinhos. Isso é trágico. ## Fragilidade para Ventiladores Primeiro, os estados não são especialistas nisso. Eles não têm seus próprios CDCs. Eles não lidam com mercados de ventiladores. Eles não sabem onde está a oferta. Todos os dias contam, mas ao invés de mandarem o que precisa acontecer, milhares de funcionários do estado estão tentando se tornar especialistas em aquisição de ventiladores e EPIs da noite para o dia. Mas mesmo que fossem especialistas, não poderiam fazer isso. Porque agora todo estado está lutando por si mesmo. Todo estado precisa de ventiladores, ou porque precisa deles hoje, ou porque vai precisar deles amanhã. É uma questão de vida ou de morte, por isso eles estão se licitando uns contra os outros. Ventiladores e prestadores de EPI estão olhando para isso e vendendo para o maior licitante. Sobrevivência do mais apto. > Os estados estão licitando uns contra os outros por ventiladores e equipamentos de proteção. Sobrevivência do mais apto. Uma resposta federal coordenada eliminaria todos esses problemas: aproveitaria a experiência dos melhores especialistas, determinaria os preços e as quantidades a serem fabricadas e distribuiria os ativos com base nas necessidades, não em quem for rápido e rico o suficiente para comprá-los primeiro. ## Kits de Teste Inacessíveis É discutível que a medida mais importante contra o coronavírus é testar o maior número possível de pessoas para identificar todos os infectados, isolá-los, rastrear seus contatos e colocá-los em quarentena. Este é o arroz com feijão de como todos os países do Leste Asiático têm controlado o vírus. É assim que saberemos como, numa estratégia de supressão, quando é hora de mudar do Martelo (total lockdown) para a Dança (medidas relaxadas de distanciamento social). Mas, nos EUA, não só temos muita dificuldade em testar. É inacessível. Se o teste do vírus fosse tão simples quanto ter um teste coberto pelo seu seguro, isso seria fácil. Mas não é assim que funciona. > Pessoas que são sintomáticas e procuram cuidados podem ser cobradas por uma visita com um médico, um teste de gripe, uma radiografia de tórax e testes bacterianos, virais ou de hemocultura. Estes custos podem se somar muito rapidamente, especialmente para pessoas sem seguro ou que têm planos de saúde de alta dedução. - [Relatório Castlight](https://www.castlighthealth.com/wp-content/uploads/2020/03/Costs-of-COVID-19.pdf) Com tudo isso, um simples teste de coronavírus pode acabar custando a pessoas acima de [4.000 dólares.](https://www.castlighthealth.com/wp-content/uploads/2020/03/Costs-of-COVID-19.pdf) Isso não inclui o tratamento. Não há como testar todo mundo com essa etiqueta de preço. ## Rastreamento de Contato e Aplicação de Quarentena A China [tinha](https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/who-china-joint-mission-on-covid-19-final-report.pdf) 1.800 equipes de cinco pessoas, cada uma delas descobrindo cada uma das pessoas que um paciente com coronavírus poderia ter infectado enquanto estava fora e por aí. Essas técnicas eram extremamente avançadas, olhando a localização de celulares ou dados de cartões de crédito, cruzando referências com bilhetes de transporte em massa e usando outras ferramentas para identificar cada um dos potenciais contágios. Enquanto isso, nos EUA, [estamos deixando tudo isso para os estados](https://www.cnn.com/2020/03/10/health/coronavirus-contact-tracing/index.html). A aplicação da quarentena é igualmente avançada tecnologicamente e demorada. [Alguns](https://www.businessinsider.com/poland-app-coronavirus-patients-mandaotory-selfie-2020-3) [países](https://www.mobihealthnews.com/news/asia-pacific/singapore-government-launches-new-app-contact-tracing-combat-spread-covid-19) usam aplicativos, enquanto outros rastreiam o movimento do seu telefone para saber se você ainda está em casa e ligam para você se suspeitarem que você deixou seu telefone em casa. Nada disso existe nos EUA. Como sabemos, a NSA já tem muitos desses dados. O governo já está usando, eles só não estão usando para isso ainda, e não se pode esperar que 50 estados descubram todos por conta própria. O governo não precisa fazer tudo isso, mas precisa coordená-lo. Nós vamos muito mais rápido se desenvolvermos um único aplicativo para todos os estados e dissermos a todos para usarem esse mesmo aplicativo. Também vamos precisar de software para rastrear os trabalhadores de contato para fazer seu trabalho. Os estados podem empregar esses trabalhadores, mas com o tempo que temos disponível, a maneira mais rápida de fazer isso é através de um governo federal, mesmo que seja através de uma parceria público-privada entre empresas de tecnologia. Tudo isso pode ser feito mantendo a privacidade, como em Singapura. E se as pessoas não quiserem usar o aplicativo, elas podem optar por não usar, como na Polônia, e esperar apenas visitas aleatórias de policiais estaduais. ## O elo mais fraco Tudo isso coloca os estados americanos em uma situação muito difícil. Os mais ricos podem ser capazes de organizar tudo isso e desenvolver a tecnologia necessária. Mas muitos não conseguirão. Estes estados vão sofrer surtos que não podem ver ou controlar. Isso vai criar dinâmicas difíceis entre eles. Imagine o Alasca aplicar um martelo caro e trancar o estado por semanas. Ele consegue controlar a epidemia e estabelece ótimos processos de teste e rastreamento de contatos. Enquanto isso, talvez o Texas não queira fazer o mesmo, e há uma epidemia descontrolada. O que o Alasca vai fazer? Deixará os texanos virem, correndo o risco de semear novos surtos? Não, vai querer bani-los de viajar para o Alasca. Os Texanos espertos apenas viajarão para outro estado e irão de lá para o Alasca. Então o Alasca será forçado a fechar suas fronteiras. E todo estado que levar o coronavírus a sério também terá que fechar suas fronteiras. [Isso](https://www.news4jax.com/news/local/2020/03/29/screening-checkpoint-at-florida-georgia-border-slows-traffic/) [já está acontecendo.](https://www.hawaiitourismauthority.org/news/alerts/covid-19-novel-coronavirus/) Se você acha que isso é impossível, [os juristas](https://www.claimsjournal.com/news/national/2020/03/18/296072.htm) discordam: os estados podem fechar suas fronteiras para outros estados. Quando o governo federal trata cada estado como um país independente, os estados exigem as mesmas ferramentas que os países independentes. Mesmo que a Espanha faça parte da União Européia, como país independente, ela fechou suas fronteiras. Os estados individuais são tão fortes quanto o elo mais fraco. Ou os EUA mandam medidas em nível federal, ou os estados serão obrigados a se comportar como países e eventualmente fechar suas fronteiras. ## O que devem fazer os Estados e o Governo Federal? O que se deve fazer é que tanto os estados como o governo federal tenham seus próprios papéis a cumprir. Até agora, os estados estão assumindo a liderança, e muitos estão fazendo o que é necessário. Mas alguns não o fizeram. E mesmo os melhores ainda precisam de coordenação em algumas áreas. Baseado em tudo isso, aqui estão algumas medidas-chave que o governo federal deve contemplar: - Fornecimentos de Saúde: Centralizar a compra de suprimentos críticos (ventiladores, EPIs, kits de teste...) e alocá-los para os estados, permitindo que eles distribuam dentro do estado. Fornecer garantias aos fornecedores para que eles não subproduzam com medo de acabar com muito estoque não vendido. - Produção caseira: Apoiar a produção caseira de suprimentos críticos, incluindo financiamento e garantias de fornecedores. Determinar uma câmara de compensação para que a oferta, a demanda e a ajuda filantrópica saibam onde atender. Construir um através de uma parceria público-privada, ou ungir uma das plataformas existentes para acelerar a criação de mercado (por exemplo, Google para ventiladores, PPE Coalition para EPIs). - Centralizar o Rastreamento de Contatos: Construa com uma parceria público/privada a tecnologia necessária para rastrear contatos facilmente. Criar uma lei que obrigue as empresas a entregar os dados necessários para que funcionem e permita a sua utilização por funcionários federais e estaduais. Fornece as ferramentas para que os estados realizem o rastreamento de contatos de fato. Crie as ferramentas de forma que a privacidade seja otimizada, e acrescente um prazo de validade automático à lei. - Ou medidas obrigatórias de distanciamento social em todo o país, ou fornece diretrizes muito específicas para os estados e esclarece sua capacidade de fechar fronteiras uns com os outros. A aplicação de medidas de distanciamento social deve se adaptar à realidade local: O que funciona em cidades infectadas com muita capacidade de trabalho de casa pode não se encaixar em áreas rurais de baixa densidade, sem casos de coronavírus e atividade agrícola predominante. Se um mandato federal for impraticável, use o acesso a outros recursos e financiamentos para cumprimento. - Acelere a tomada de decisões ou saia do caminho quando os estados precisarem de agilidade. Por exemplo, os kits de testes poderiam ser melhor sem a supervisão pesada do FDA, dadas todas as melhores práticas internacionais e a velocidade dos laboratórios locais. Use as recomendações do FDA como orientação e melhores práticas, e não como um portal. - Liderar uma iniciativa para garantir testes coronavírus gratuitos aos cidadãos, todos os custos incluídos. - Atualizar ativamente as proibições de viagens: Neste momento, eles são em sua maioria da China, Irã e Europa, mas isso não reflete mais a realidade local. Existem hoje 23 países fora desses lugares com mais de 1.000 casos, e muitos mais em rápido crescimento. - Apoiar os estados com conselhos e dinheiro para educar a população sobre a importância e as melhores práticas de distanciamento social e higiene. # Conclusão Os Estados Unidos são o país mais forte do mundo. Tem a economia mais vibrante, a militar mais poderosa. Inspirou as democracias através da história, e resplandece os valores da liberdade ao redor do mundo. Tudo isso teve origem há dois séculos e meio, quando um grupo de colônias de ragtag, subservientes a um rei remoto, decidiram se unir para derrubar uma tirania. Esse triunfo surgiu a partir da união dos treze estados originais. Independentemente, eles não conseguiram vencer o poderoso Reino Unido. Juntos, eles venceram. É por isso que os EUA são chamados de estados Unidos. Foi a união que trouxe a força. É por isso que o selo dos estados Unidos da América declara: E Pluribus Unum. > Dentre muitos, um. ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_5d1c1e562f8e6bf769716e8ba543b700.png) Estamos enfrentando a maior batalha de nossa geração, e tudo se resume ao dia de hoje. Temos duas opções em nossas mãos: Ou nos unimos como um país, ou vamos desmoronar como estados individuais. A margem de erro é tão pequena. Alguns dias de folga, e milhares de outros morrem. Nossos profissionais de saúde já estão morrendo nas linhas de frente. Eles estão dispostos a dar suas vidas por todos nós. Porque é disso que se trata viver. Nós também precisamos lutar por cada vida de nossos compatriotas. Porque sabemos, quando somarmos essas vidas, isso vai fazer a diferença entre ganhar e perder. Entre viver, ou deixar nossos entes queridos morrerem. Eu quero fazer parte do time vencedor. Você quer? ... Se você acredita que este artigo, ou qualquer outro artigo similar, pode ajudar seus legisladores a tomar as decisões corretas, por favor, compartilhe-o. Milhões já o fizeram com os artigos anteriores, e eles podem ter salvo inúmeras vidas. Se você quiser receber os próximos artigos, [cadastre-se aqui.](https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfMlYTvQiZL1nBJILpFYvawQ85TVersnwXuRq3kqV2oTR5GzA/viewform?usp=sf_link) Se você concorda com esta abordagem, considere assinar o [abaixo-assinado da Casa Branca.](https://petitions.whitehouse.gov/petition/buy-us-time-fight-coronavirus-and-save-millions-lives-hammer-and-dance-suppression-strategy) ![](https://codimd.s3.shivering-isles.com/demo/uploads/upload_825214f97147e3250e2aee4b76de2299.png)